topo :)

19/04/2016

Resenha - O Príncipe de Westeros e outras histórias


Hey Leitores!
Como estão?
Hoje eu trouxe um livro fascinante que reúne os melhores contos de grandes escritores do gênero fantasia, como George R. R. Martin, Gillian Flynn, Patrick Rothfuss e entre outros. 



Livro: O Príncipe de Westeros e outras histórias
Autores: George R. R. Martin e Gardner Dozois
Editora: Saída de Emergência - Arqueiro
Ano: 2015
Páginas: 480
Skoob: 4/4
Adquira o livro: aqui

Sinopse: Com histórias de Joe Abercrombie, Gillian Flynn, Matthew Hughes, Joe R. Lansdale, Michael Swanwick, David Ball, Carrie Vaughn, Scott Lynch, Bradley Denton, Cherie Priest, Daniel Abraham, Paul Cornell, Steven Saylor, Garth Nix, Walter Jon Williams, Phyllis Eisenstein, Lisa Tuttle, Neil Gaiman, Connie Willis, Patrick Rothfuss e George R.R. Martin o livro traz contos que não são preto e nem branco, contos com todos os tons de cinza. 21 histórias com reviravoltas astutas e deslumbrantes nessa galeria de histórias de vilões que vão saquear seu coração e ainda deixá-lo mais rico a cada história.

Resenha: O tema principal do livro são os canalhas, ou seja, nossos heróis (ou anti-heróis) destes contos são malandros, vigaristas, são como filhos de Loki, trapaceiros, burladores, falsários, charlatões, e por aí vai.

“TODO MUNDO AMA UM CANALHA... embora, às vezes, a gente sobreviva para se arrepender.”

O livro é uma coletânea de dez contos, então vou falar um pouco sobre os que eu mais gostei e os meus “menos favoritos” rsrs, e então adianto que essa resenha pode ser um tanto comprida, porém ressalto que esse é o tipo de obra perfeita que pode nos ajudar a conhecer vários autores populares, e a decidir se gostamos ou não da escrita deles.

Vou logo dizendo que amei o primeiro conto que se chama Como o Marquês Recuperou seu Casaco, do escritor Neil Gaiman, autor do livro Coraline e O oceano no fim do caminho. Nessa história, Gaiman nos leva a um mundo completamente louco e diferente, em uma Londres surreal e a uma missão mais estranha ainda. Se inicia com o Marquês de Carabas a poucos minutos de se afogar, porém sua única preocupação e descontentamento vem do fato dele estar sem seu casaco.

“O nível da água havia chegado aos seus joelhos, e ele pensou: Isso nunca teria acontecido se eu ainda tivesse meu casaco.”

A partir daí começa uma busca frenética do Marquês pelo seu casaco, indo a lugares sinistros e com pessoas, ou coisas, mais estranhas ainda, como as pessoas Cogumelos, Elefantes, e os Pastores, que são literalmente pastores de rebanhos, só que de pessoas. Confuso, eu sei, mas juro que é um conto incrível!

A segunda história se chama Proveniência, escrita pelo David W. Ball, um autor desconhecido por mim até eu ler esse livro, e que tem uma escrita fantástica, nos levando a conhecer Max Wolff; um negociante de artes raras e valiosas; e claro, um perfeito vigarista. No conto Max está prestes a negociar um dos quadros mais raros e caçados do mundo, desde Alemanha Nazista.

“Ele era um excelente oficial, mas excepcionalmente cruel até mesmo pelos padrões da SS. Rússia, Tchecoslováquia, Polônia... Beck conseguiu se tornar um dos criminosos de guerra mais procurados.”

A autora do terceiro conto é da brilhante Gillian Flynn, escritora dos best-sellers Garota Exemplar e Objetos Cortantes, mas que não conseguiu me fazer gostar desse conto, apesar de eu ter amado a escrita dela. O conto se chama Qual é a sua profissão? e nos apresenta a história de uma garota que tem uma profissão... bastante peculiar.

“Quando as pessoas me fazem aquela pergunta que todo munda faz: “Qual a sua profissão?”, eu respondo “Atendimento ao cliente”, o que é verdade. Para mim, foi um bom da de trabalho quando fiz um monte de gente sorrir.”

Na sequência dos contos, dei uma desanimada na leitura. Ele se chama Um jeito melhor de morrer, escrito pelo Paul Cornell (desconhecido por mim até então). Nos leva a uma aventura, onde Halmiton se encontra preso em uma luta de vida ou morte com alguém tão perigoso e esperto quanto ele – ele mesmo. A história se passa em um mundo, ou mundos, diferentes do nosso, onde a mínima possibilidade de um clone seu lhe atacando é real.

“Mesmo assim, ainda não estava pronto para morrer.”

Gente, eu sou muito suspeita para falar dos próximos contos, pois eu estava louca para chegar neles, por causa dos escritores. O quinto conto se chama Um Ano e Um Dia na Velha Theradane, do Scott Lynch, autor da série Nobres Vigaristas, a saga pela qual já estou ansiosa para ler!

A história nos leva a uma cidade despedaçada por uma guerra entre magos e sob ataque de magias mortais que caem literalmente do céu. Amarelle é uma ladra aposentada, conhecida como a Duquesa Invisível, mas que precisa se “desaposentar” após cometer, enquanto bêbada, graves insultos e ameaças a uma grande maga, Ivovandas, tendo então que roubar uma rua. Gente, uma rua. Literalmente, uma rua inteira. Como a Duquesa Invisível vai fazer isso? Juro que nem eu sabia até ler o final e rir horrores do empreendimento dela!

“Meio ano perdido. Apesar do vandalismo, dos motins, homens-chacais, erros de escritórios e enchentes, a rua da Prosperidade era mais digna do nome do que nunca.

A Caravana para Lugar Nenhum é também considerado um dos meus contos favoritos, do autor PhyllisEisentein. Nesse livro o autor pega “emprestado” um dos seus personagens mais populares da sua série de fantasia Born to Exile. Alaric, o Bardo, nasceu com a estranha habilidade de teletransporte, e que na história ele parte em uma caravana, cujo líder se chama Piros, um homem bruto e trabalhador, que possui um filho um tanto estranho, Rudd. Alaric está sempre em busca de histórias e aventuras para compor suas músicas, e essa é uma que ele não deixaria de cantar.

“― Um bardo sempre está procurando por novas histórias a serem cantadas –disse Alaric. ― Eu acho que aqui existe uma.
― Não uma que seja boa – resmungou Piros.”
Eu também não conhecia o autor do próximo conto, o Joe R. Lansdale, mas que gostei muito da escrita que me levou a conhecer Hap e Leornard, seus dois personagens mais populares, a uma missão intricada para resgatar uma “donzela” em perigo, embora não a do tipo que nós estamos acostumados a encontrar em contos de fadas.
“O outro era o fato de eu ser eu. Parece que sou um desses caras que ajudaria um cão raivoso a atravessar a rua se julgasse que ele estava confuso quanto à direção.”
Atenção mundo para esse conto! Se você já leu os livros do Patrick Rothfuss, autor da série A Crônica do Matador de Rei, pode ficar tranquilo, pois ele não decepciona. Gente, que conto incrível, que escrita envolvente é essa? Simplesmente amei, não vejo a hora de ler tudo que o Rothfuss já escreveu na vida!
Na história, somos levados até a ilustre hospedaria Marco do Percurso para acompanhar um dia típico de Bast, um dos personagens mais brilhantes e populares de suas histórias. Um jovem misterioso que é mais do que parece ser, que durante o conto aprende lições e nos ensina tantas outras.
“Mas isso? Convencer as pessoas da verdade que elas eram deformadas demais para ver? Como poderia sequer começar?
Era uma confusão. Essas criaturas eram frágeis e assustadiças em seu desejo. Uma cobra nunca se envenenaria, mas essas pessoas fizeram disso uma arte.”
Acredito que esses três últimos contos foram de longe os meus favoritos. Em Cartaz, da Connie Willis, me surpreendeu do inicio ao fim. Uma história rápida, divertida e apaixonante, fazendo de uma simples noite no cinema se torne uma alucinante aventura. Apreciei muito os trocadilhos e referências a filmes populares.
“― Malandro? ― repetiu Kett confusa.
[...]
― Não ― respondi. Um malandro é um cara arrogante e sem nenhuma preocupação com regras ou leis...
― Ah, um traste ―resumiu Kett.
― Não, um malandro é divertido, sexy, charmoso ― corrigi, tentando desesperadamente pensar em um filme recente o bastante para ela poder ter visto. ― Como o Homem de Ferro. Ou Jack Sparrow.”

O último conto é um dos meus escritores favoritos e então de novo, sou suspeita para falar rsrs. Nesse conto, George R. R. Martin nos leva a agitada terra de Westeros, cenário da sua famosa série As Crônicas de Gelo e Fogo, para nos contar sobre um dos canalhas mais cruéis e ambiciosos da história dos Sete Reinos. Daemon Targaryen, neto de rei, irmão de rei, marido de uma rainha, mas que sempre será o príncipe que nunca chegou a ser rei, muito embora sua ambição louca tenha feito eclodir uma das guerras mais sangrentas da história de toda Westeros, conhecida como A Dança dos Dragões. 

O conto O Príncipe de Westeros ou Irmão do Rei é perfeitamente esclarecedor e necessário para os fãs do universo das Crônicas de Gelo e Fogo, nela Martin nos apresenta mais perto as personagens como a majestosa RhaenyraTargaryen, e o repulsivo SorCriston Cole, que teve uma participação crucial para o início dessa guerra pelo Trono de Ferro.
“Depois disso, a tempestade irrompeu, e os dragões dançaram e morreram.”
Enfim gente, acredito que pelo “pouco” que falei vocês tenham uma ideia do o quanto esse livro é incrível! Uma leitura para ser apreciada com calma e curiosidade de um verdadeiro aventureiro e desbravador de mundos. 
Classificação


3 comentários:

  1. Oie
    Lembro que quando eu li este livro ano passado eu curti muito, e teve contos que deram medo. É um livro ótimo.

    Beijos
    http://diariodeincentivoaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Parece bem legal, contudo um pouco confuso, espero que goste!
    http://claratorrespalavras.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Eu já ouvi falar muito desse livro e morro de vontade de ler, mas ainda não tive tempo. Adoro os trapaceiros. kkkkkkkkkk
    Beijo

    Canastra Literária | Facebook | Twitter

    ResponderExcluir

Obrigado pela seu visita, e pelo seu comentário.
Deixe o link do seu blog se você tiver, que irei seguir com maior prazer.
Deixe também o seu e-mail, que estarei respondendo o seu comentário.
Bjos

© Livros e Marshmallows ♥ - Todos os direitos reservados - 2016 ♥ Criado por: Taty Salazar || Tecnologia do Blogger. imagem-logo