topo :)

12/05/2016

Resenha - Os Humanos


Olá leitores! Tudo bem com vocês? Para hoje temos um dos melhores livros que já li do gênero ficção científica!


Livro: Os Humanos
Editora: Jangada
Autor: Matt Haig
Ano: 2016
Páginas: 312
Skoob: 5/5
Adquira o livro: aqui

Sinopse: Quando um visitante extraterrestre chega à Terra, suas primeiras impressões da espécie humana são pouco positivas. Ao assumir a forma do professor Andrew Martin, da Universidade de Cambridge, o visitante está ansioso por cumprir a tarefa macabra que lhe foi incumbida e voltar rapidamente para seu planeta. Ele se sente enojado pela aparência dos humanos, pelo que eles comem e por sua capacidade de matar e guerrear. Mas, à medida que o tempo passa, ele começa a perceber que pode haver mais coisas nessa espécie do que havia pensado. Disfarçado de Martin, ele cria laços com sua família e começa a ver esperança e beleza na imperfeição humana, o que o faz questionar a missão que o levou à Terra.

Resenha: Os Humanos é um dos mais recentes lançamentos da Editora Jangada e o primeiro do Grupo Pensamento a ocupar minha estante; não pude conter meu entusiasmo quando vi de perto a capa fantástica desse livro. Foi um prazer imenso tê-lo em minhas mãos, e fiquei ainda mais surpreendida com a história que suas páginas carregam.

Somos impelidos a conhecer um alienígena, que ao chegar a terra assume a forma do brilhante professor de matemática da Universidade de Cambridge, Andrew Martin, para cumprir uma missão obscura, que é impedir o progresso dos humanos e reunir informações a cerca deles.

Esse tal progresso refere-se a ilustre e perigosa descoberta que o professor Martin fez antes de ser abduzido. Ele provou a hipótese de Riemann.

“No entanto, Riemann tinha apenas localizado a fechadura, não tinha verdadeiramente encontrado a chave [...].”

Sei que não parece grande coisa (para nós, meros mortais e alheios à matemática), mas no livro o autor se encarregou de explicar o quanto isso é de fato importante. Se esse problema fosse resolvido os humanos finalmente dariam um grande passo rumo à evolução, teríamos supercomputadores, explicações sobre física quântica e transporte interestelar, poderiam evitar doenças e até mesmo a morte.

“Um número primo é forte. Ele não depende de outros. E puro e completo e nunca enfraquece. Você precisa ser com um número primo.”-Anfitriões.

O problema começa justamente quando o humano, o professor Andrew Martin, resolveu esse enigma matemático que veio assombrando as mais brilhantes mentes da Terra.

Porém, os humanos não estão prontos para esse tipo de avanço. Logo, Andrew, ou melhor, o extraterrestre Sem Nome, veio a Terra com a mais simples missão de destruir todas as provas da hipótese e as pessoas para quem o humano possa ter contado.

“Faça o que eles querem que faça. Eles nunca devem saber quem o mandou. Não entre em pânico. O professor Andrew Martin não está eles agora. Você está. Vai dar tempo.[...]Use seus dons de forma inteligente. Usarei. Mas estou assustado. Tem todo o direito de estar. Você está entre humanos.”

Quando esse extraterrestre aparece na Terra pelado e totalmente alheio a tudo que envolve ser humano, como a falar, cumprimentar, se vestir; suas primeiras impressões sobre a espécie são de pura aversão. Ele não gosta da aparência que possuímos, e acredita que somos resumidos a violência, a ganância e egoísmo sem fim.

“Tinha também ouvido falar que os humanos eram uma forma de vida de inteligência mediana, na melhor das hipóteses, e tinham uma tendência à violência, profunda vergonha sexual, poesia ruim e a andar em círculos.”

O professor Martin, o verdadeiro, era um proeminente matemático, mas um péssimo marido para Isobel, e um pai distante para seu filho, Gulliver.

Isobel é uma historiadora, considerada muito inteligente “pelos padrões humanos”, mas que abandonou sua carreira para se dedicar a família, porém tarde demais percebeu que seu marido não passava de um homem egoísta e narcisista, lhe restando somente seu filho, ou quase, já que sente que o está perdendo também.

Gulliver sofre pelos atos do pai, com a pressão de ser filho de um matemático notório e com todos os problemas que envolvem ser jovem e solitário. Isobel e Gulliver são os únicos a notar as mudanças repentinas em Andrew.

“Então fiquei ali, ouvido sua respiração entrar e sair, como se fosse a maré de um mar exótico. Em determinado momento, meu dedinho tocou o dela, por baixo do edredom, e dessa vez o mantive ali e imaginei que era quem ela pensava que eu era.”

Ao decorrer do livro notamos que ocorrem transformações no modo em que o extraterrestre nos ver. Passamos a ser um enigma para ele, algo que ele quer ardentemente entender, o que o faz pedir mais tempo na Terra aos Anfitriões ( pelo que entendi, são os lideres no planeta dele).

“Explique por que você precisa de mais tempo para isso. A complexidade exige tempo, mas os humanos são primitivos, desprovidos de mistérios.”–Anfitriões.

De todos os livros que já li do gênero, esse sempre será lembrado por mim pela trama espetacular e por sua narrativa divertida. O começo foi incrivelmente engraçado, “ver” esse extraterrestre tentando entender que ser cuspido não é uma forma de cumprimento, que roupas são essenciais (já que elas dizem muito sobre nós) e que a revista Cosmopolitan não é um manual sobre humano; foi incrível notar que coisas simples são ao mesmo tempo complexas. 

O próprio prefácio do livro é inusitado, tudo sobre essa obra é inédita. Eu comecei a lê-la sem nenhuma expectativa, sem esperar nada do autor ou do gênero, e acredito que isso me fez mergulhar ainda mais de cabeça nessa história.

“E vê sua beleza. Se a beleza na Terra for a mesma que em qualquer outro lugar: ideal naquilo que tem de tentadora e indecifrável, criando uma confusão deliciosa. Eu estava confuso e me sentia perdido.”

Adorei observar esse extraterrestre descobrir que as poesias da Emily Dickinson são maravilhosas, que o vinho australiano é excêntrico, que uma vaca é mesmo uma vaca mesmo que a chame de bife, e que os gêneros musicais são contagiantes, principalmente o rock; que um cachorro pode ser um ótimo companheiro não só para os humanos, mas também para algo como ele; e que o amor é real.

“44) Você tem o poder de parar o tempo. Consegue isso ao beijar. Ou ouvir música. [...]”

“86) Apenas gostar de alguma coisa é insultá-la. Ame-a ou a odeie. Tenha paixão. Conforme a civilização avança, a indiferença faz a mesma coisa. É uma doença. Imunize-se com arte. E amor.”

Essa resenha foi bastante complicada de escrever, pois tive que falar sobre nós, os humanos, do ponto de vista de um ser extraterrestre (estranho, eu sei). O livro em si é caixa de surpresa, a escrita é muito envolvente, a ponto de nos deixar um tanto constrangidos.

Matt Haig é absurdamente talentoso. E seu livro é diferente de tudo que já li, é um engraçado, romântico e verdadeiro. Fala sobre os humanos de um jeito cru que pode nos arrancar lágrimas e risos.

Eu me senti invadida por esse livro, suas palavras e conclusões me fizeram rir e me corroer por dentro com suas as verdades. É claramente uma obra para nós, então posso simplesmente recomendar para todos os humanos, porque é o tipo de livro que se precisa ler pelo menos uma vez na vida. 

Classificação



10 comentários:

  1. Oi Kelly.

    Achei sua resenha bem bacana e se caso eu fosse ler este livro também seria uma leitura bem diferente das leituras que estou acostumada a ler. A capa já tem pontos positivos comigo e após ler sua opinião, quero dar uma chance para história.

    Bjos

    ResponderExcluir
  2. Oi Marcela, tudo bem?
    Eu adoro Ficção Científica, mas ainda não tinha lido nenhuma resenha sobre o livro Os Humanos e depois de conhecer seu ponto de vista você me convenceu a realizar a leitura. Eu imagino que o período de adaptação do extraterrestre se passando pelo professor Martin deve ter sido bem engraçado, com situações inusitadas. Fiquei super curiosa para saber quais as conclusões dele sobre os humanos e qual a decisão que ele tomou após conhecer a nossa espécie melhor. Dica anotada e já adicionada no skoob, espero realizar a leitura em breve.
    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Olá, Marcela.
    Esse gênero eu não sou muito fã. Raramente gosto de algum livro. Mas esse livro eu me interessei em ler. Sempre imaginei essa questão de como seriamos vistos por alguém de "fora' por isso me interessa o livro e essa visão. E o seu entusiasmo me contagiou.

    Blog Prefácio

    ResponderExcluir
  4. Oi, já tinha visto uma resenha sobre esse livro em outro blog, e nessa resenha que vi, a pessoa elogiava muito o livro e a sua resenha também foi positiva, e realmente a sinopse é bem interessante e o desenrolar da historia parece ser instigante de acompanhar, já que temos um alien que tem uma missão, mas que com o tempo acaba sendo conquistado pela raça humana. Achei muito boa a sua resenha e fiquei com mais vontade de ler, colocarei na minha lista de desejados.
    bjus

    ResponderExcluir
  5. Oi Marcela, tudo bem?

    Não conhecia esse livro, mas sua resenha me deixou com muita vontade de ler. Parece ser realmente incrível, e gostei do autor mostrar essa visão dos humanos de uma ótima totalmente diferente, acho que é aquele tipo de livro que lemos e refletimos sobre o que estamos fazendo e como o mundo está do jeito que está por causa de nós mesmos... mas que há também coisas boas.

    Achei bem legal saber que aos poucos o extraterrestre quer aprender mais sobre nós, e achei interessante essa lista que ele fez.

    Parece ser um livro muito envolvente mesmo!! Já está na minha lista de desejados. Parabéns pela resenha.

    Beijinhos,

    Rafaella Lima || Vamos Falar de Livros?

    ResponderExcluir
  6. Mas mulher só pelo seu entusiasmo na resenha já fiquei tentado a ler e olha parece ser um livro e tanto, dica anotava! Mas só uma pergunta, durante a leitura vai tendo problemas de matemática e física? Porque não gosto quando tem essas coisas no meio da história kkkkkkkkkk

    ResponderExcluir
  7. Eu adoro as obras do Matt, ele escreve muito bem! Fiquei muito empolgada quando vi esse lançamento, e que era dele, e também por ser com extraterrestres, o que eu adoro!
    Gostei bastante da sua resenha, fiquei muito empolgada para ler, aliás, ele é o próximo da lista, só preciso terminar dois livros antes, então já estou ansiosa!
    beijos
    http://www.apenasumvicio.com

    ResponderExcluir
  8. Fiquei contente em saber que o livro é tão, confesso que solicitei sem esperar nada e agora ao finalizar a resenha estou louca para começar a leitura, espero mesmo que o livro me envolva tanto como te envolveu, espero sentir essa mesma emoção! Enfim, estou com boas expectativas!

    ResponderExcluir
  9. Oie, tudo bem?
    Eu ainda não estava sabendo sobre o lançamento desse livro, e achei a proposta bem interessante. Os avanços de tecnologia e estudos estão super avançados (bom, eu não acompanho muito, mas estou falando pelo o que leio), e acredito que a ideia do autor foi muito inteligente. Sei que é estranho ler a perspectiva dos humanos sob o ponto de vista de uma pessoa de outro planeta, pois já li uma obra que tinha um pouco disso. A dica já está anotada, porque eu realmente gosto de livros que, as vezes, me tiram da zona de conforto - e acho que é o caso desse.

    Beijos
    www.procurei-em-sonhos.com

    ResponderExcluir
  10. @Menino Literário
    kkkk Te juro que não tem nenhum tipo de problemas matemático ou físico para o leitor bater cabeça (que nem naquele livro do João Verde lá kk) .
    O livro do Matt Haig tem tudo para conquistar qualquer tipo de leitor!
    Bjs!!

    ResponderExcluir

Obrigado pela seu visita, e pelo seu comentário.
Deixe o link do seu blog se você tiver, que irei seguir com maior prazer.
Deixe também o seu e-mail, que estarei respondendo o seu comentário.
Bjos

© Livros e Marshmallows ♥ - Todos os direitos reservados - 2016 ♥ Criado por: Taty Salazar || Tecnologia do Blogger. imagem-logo