topo :)

23/06/2016

Resenha - Alice Black


Hey leitores! Tudo bem?
É com um imenso prazer que trago hoje para vocês a resenha do livro Alice Black, que foi uma das leituras mais encantadoras que tive esse ano!


Livro: Alice Black
Autores: Carlos Henrique e Flávia Gonçalves
Editora: Autografia
Ano: 2015
Páginas: 320
Skoob: 5/5

Sinopse: E se um fã de rock descobrisse que todas as letras, símbolos e capas de álbuns são apenas reflexos de uma intensa realidade oculta para meros mortais? Alice é roadie da Mell's Angels, uma banda de rock iniciante, cuja estrela é sua irmã mais velha. Humilhada constantemente pelos integrantes, sua situação piora quando descobre que eles venderam sua alma em troca de sucesso imediato. Lançada no submundo, enquanto a banda desponta para o estrelato, Alice inicia uma louca jornada através dos perigos, descobertas, desafios, e - por que não? – encantos de um inferno totalmente rock and roll, governado por um Príncipe das Trevas que talvez nem seja tão terrível assim...

Resenha: Somos levados a conhecer Alice Black, uma jovem de dezoito anos, tímida, deslocada e ingênua, sendo ela a roadie da banda Mell’sAngels, cuja irmã, Melissa, é a estrela principal. A banda é pequena e de rock iniciante, composta por Carmine, a baterista, Nikki, o baixista, e na guitarra e vocal está Melissa, ou Mell como ela prefere ser chamada. Juntos, eles apelidaram Alice de desplugada e a fazem de gato e sapato, tornando a vida dela ainda mais difícil.

Alice teve uma infância complicada, fugiu do orfanato com sua irmã quando crianças, e ambas se refugiaram nas ruas.  Embora Alice tenha preservado um coração bondoso, desconfio que Melissa nunca tenha tido um.

Quando digo que Melissa é uma megera, não estou exagerando. Em troca de sucesso e fama imediata, ela foi capaz, juntamente com o restante da banda, vender a alma de Alice para o Príncipe das Trevas, ou simplesmente James, como ele prefere.

“-Na Terra, gosto que me chamem de James –disse ele, como se quisesse recomeçar aquele encontro. –Mas as pessoas me dão muitos nomes. Acabo me acostumando com todos.”
Alice em toda sua inocência logo se ver em um elevador escuro e macabro, e quando as portas se abrem... ela se encontra no inferno.

“—Contrato é contrato - disse ele, as chamas azuis de seus olhos um pouco mais brandas. —Se houvesse alguma honra na banda, teriam sacrificado algum deles próprios. Mas, em se tratando de pactos comigo, quase nunca há. Não há nada a fazer. Quando a porta se abrir novamente, estará em meu mundo. Seu lar, para sempre.” –James.

Lá ela descobre que não está realmente no inferno-inferno, e sim em uma espécie de platô chamada de Hotfield, criada pelo Príncipe das Trevas, designada para as pessoas que fecharam pactos com ele, o que não torna tudo exatamente melhor.

“Talvez fosse isso. Talvez, o castigo mais amargo para os que estavam ali era imaginar o mundo em que viviam seguir adiante daquela maneira tão rápida, deixando-os para trás.”
Alice é como um ímã para confusão, então James acaba por colocá-la sobre os cuidados de Pagenini, um violinista e um dos primeiros a se tornar “habitante” de Hotfield.
“—Eu tenho a minha música –respondeu ele, com indisfarçável orgulho. –Mas, nos piores momentos, quando realmente penso estar em um lugar ruim, procuro olhar além da borda, e assim, nunca me esqueço de que é lá o verdadeiro inferno.” –Pegenine.
Com ele, Alice descobre que as bandas do Príncipe “descem” para o festival que ele organiza na Cidade Paraíso, um lugar onde normalmente esses artistas passam a “viver” após morrerem na Terra. Ela está determinada a encontrar a irmã na Cidade, certa de que Melissa irá ajudá-la a desfazer todo esse “mal-entendido”.
A partir daí Alice embarca numa jornada até a Cidade Paraíso juntamente com seu cão infernal, (que eu achei a coisa mais fofa do mundo!) o Às de Espadas. Durante o trajeto, ela conhece outros músicos, como os Três Reis, e enfrenta perigos e desafios,descobrindo coisas surpreendentes a respeito do tenebroso Príncipe das Trevas...

“—Não. É o filho único do Rei das Trevas. Em troca de lealdade e total obediência através dos séculos, o pai permitiu que ele criasse esse platô. Não faz muito tempo. [...] –Pegenine.

Enfim leitores... Acontece um milhão de coisas quando ela chega a Cidade Paraíso e mais meio milhão depois de... Mas vou me conter para não dá altos spoilers aqui (risos), mas garanto que cada página desse livro promete muitos acontecimentos marcantes, principalmente sobre como Alice Black se tornou a princesinha do inferno...

“Alice sorriu o mesmo sorriso que enxergou no rosto dele, e teve certeza de que os jogos de caça haviam acabado. Não eram mais presa e predador. Eram ambos prisioneiros da noite que apenas começava, cumplices na busca por satisfazer os mesmo desejos.”

A história é narrada na terceira pessoa, sobre a perspectiva da nossa heroína Alice. Adorei acompanhar seu amadurecimento, e sua jornada por Hotfield. No fim das contas, ela deixa de ser tão ingênua e se torna uma mulher forte e ousada, uma verdadeira artista talentosa, ao contrário da sua irmã invejosa e perversa.

A escrita de Carlos e Flávia é maravilhosa, simples, divertida e cativante, agradeço de coração por terem me dado essa incrível oportunidade de ler esse livro extraordinário! Amei cada personagem, principalmente James, que possui uma história diferente de tudo que já li. Ele é um “jovem” sagaz e sedutor, um completo fanático por rock tanto quanto Alice. Eles dois juntos são arrebatadores!

“—Ah. Eu ouço... Mágica –respondeu ela, decidida. —Mágica acompanhada por sons selvagens, como em um tipo de alquimia. Lindos harmônios, como auroras boreais. Uma nota após outra, e outra, gerando uma escultura de som. É isso o que eu ouço. James afastou-se um pouco e sorriu, visivelmente orgulhoso.

E gente, que capa é essa?! Eu amei demais! Ela tem altas referências da história, e suas cores refletem todo aquele ar infernal de Hotfield. Gostei bastante da diagramação do livro, todos os capítulos possuem seu título e não muito longos, o que aprecio muito.

“Qual dos dois estava ali diante dela? O Todo-Poderoso Príncipe das Trevas, governante de Hotfield, ou James, um homem simples e amável, cujo coração era cheio de energia e puro rock androll?”

Então leitores, é claro que eu recomendo esse romance sobrenatural não somente para os fãs de Rock in Roll e amantes literários, mas para todos que querem mergulhar nessa cativante história de Alice Black – Princesinha do Inferno, pois é uma leitura para todos os gostos.

“—[...] Eu acreditei, e tudo isso começou a acontecer. Quem nasceu para o rock tem um espírito, sabe. Tem sede de liberdade, e paixão verdadeira pela música. Toca com a alma. Ou não toca.” –Dave Hemmet, vocalista do Metalldeth.

Classificação
                   


Um comentário:

  1. Oie
    Não conhecia este livro, curti o enredo e parece ser uma história muito boa e que prende. Seus comentários me deixaram curiosa e com vontade de saber mais sobre o livro. Realmente essa capa é linda e chama atenção.
    Adorei sua resenha!!

    Beijinhos
    http://diariodeincentivoaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Obrigado pela seu visita, e pelo seu comentário.
Deixe o link do seu blog se você tiver, que irei seguir com maior prazer.
Deixe também o seu e-mail, que estarei respondendo o seu comentário.
Bjos

© Livros e Marshmallows ♥ - Todos os direitos reservados - 2016 ♥ Criado por: Taty Salazar || Tecnologia do Blogger. imagem-logo